Reunião de professores com jogos fica menos chata?

Desde março de 2020 as reuniões que participo com outros professores, também de faculdades, têm se demonstrado cada vez mais chatas. Peço desculpas aos colegas de profissão, não é culpa individual de nenhum de nós, mas realmente nossas reuniões de trabalho são difíceis por natureza, mas fazendo o mesmo em vídeo-conferências parece que tudo ficou mais chato ainda.


Então, pensando que se aplicamos jogos para melhorar o aprendizado dos nossos alunos, porque não usarmos a mesma técnica para melhorar nossas reuniões. Encontrei um amigo pesquisador brasileiro na cidade de Delft, Holanda. Lá, ele realiza profundas investigações para o uso de técnicas de Simulações & Jogos na gestão pública. E eis que o que já é realidade na Europa também pode acontecer aqui. Mais uma vez, podemos aprender com o que se faz de melhor pelo mundo.



Em um artigo recém publicado, de autoria do Fernando Kleiman, Sebastiaan Meijer e Marijn Janssen, esse assunto foi tratado e apresentado com os argumentos que deveríamos considerar em nossas reuniões.


 

O Fernando e a Marijn são da Delft University of Technology e o Sebastiaan é do Royal Institute of Technology. Um atributo especial do Sebastiaan é que ele é o presidente da Associação Internacional de Simulações e Jogos (International Simulation and Game Association - ISAGA), que também sou membro há muitos anos e de onde a Teoria de Simulações e Jogos é disseminada por todo o mundo. Já foram mais de 50 congressos internacionais anuais que aconteceram em todos os continentes, cada ano em um país com um membro, sendo que o próximo congresso será na Índia (saiba mais nesse link). O líder desse congresso é o Dr. Vinod Dumblekar, que aplica e dissemina o uso dessa técnica por todo o seu país e colabora com inúmeros outros países da Ásia.

 

No artigo, uma série de jogos são citados como forma de introduzir essa técnica nas reuniões. Talvez não sejam a melhor opção para uma aula, mas sua aplicação pode ter impactos interessantes do ponto de vista de que contribuem para diminuir a sensação de isolamento que estamos passando. E, um ganho adicional para tudo isso é que aumenta a nossa percepção de pertencimento a um grupo, no nosso caso o grupo de professores de uma Instituição de Ensino - isso aumenta nossa produtividade e diminui, justamente o que mais sinto, a sensação de uma atividade chata e cansativa.